Tudo Sobre Criação Pôr do sol sobre o campo verde - Tudo Sobre Criação Bandeira

Homem de Piltdown


Homem de Piltdown: O Período de Tempo
Achava-se que o homem de Piltdown (Eoanthropus Dawsoni) era o "elo perdido" entre o homem e o macaco. Os primeiros fragmentos do Piltdown foram descobertos em 1912. Posteriormente, mais de 500 dissertações científicas foram escritas sobre o Homem de Piltdown em um período de 40 anos. A descoberta foi provada como sendo uma fraude deliberada em 1953.


Homem de Piltdown: Os restos fósseis
O homem de Piltdown consistia de dois crânios humanos, uma mandíbula de orangotango, um molar de elefante, um dente de hipopótamo e um dente canino de chimpanzé. Sir Kenneth Oakley determinou que os crânios humanos foram de cerca de 620 anos atrás. Eles podem ter pertencido aos índios Ona da Patagônia, já que os crânios eram extraordinariamente grossos. Crânios grossos são uma característica comum entre os índios Ona. A mandíbula de orangotango é de cerca de 500 anos atrás, talvez de Sarawak. Acredita-se que o molar de elefante veio da Tunísia e que o dente de hipopótamo veio de Malta ou talvez Sicília. O dente canino pertencia a um chimpanzé Pleistoceno. Os restos do Piltdown foram espalhados propositalmente ao redor de uma pedreira em Piltdown, Inglaterra, para que pudessem ser "descobertos" mais tarde como evidência para a evolução e o desenvolvimento do homem a partir de um macaco. Os crânios tinham sido tratados com ácido. Todos os restos fósseis foram manchados com uma solução de sulfato de ferro. O dente canino foi pintado de marrom e remendado com goma de mascar. Os molares foram raspados para baixo. A parte do maxilar do orangotango que ligava a mandíbula ao seu crânio foi cuidadosamente quebrada para não mostrar evidência de que esta mandíbula não pertencia a um crânio humano.


Homem de Piltdown: Os Agressores
Acredita-se que a fraude do homem de Piltdown foi causada por Charles Dawson, um arqueólogo, geólogo e colecionador de fósseis para o Museu Britânico. No entanto, não se sabe com certeza quem estava envolvido. Há vários outros suspeitos, incluindo Sir Arthur Smith Woodward, responsável pelo departamento de História Natural do Museu Britânico, e Pierre Teilhard de Chardin, paleontólogo e teólogo jesuíta.


Homem de Piltdown: Uma Farsa Deliberada
O homem de Piltdown foi obviamente uma fraude deliberada. Após uma investigação crítica, a fraude foi exposta rapidamente. No entanto, o "achado" não foi investigado corretamente até quarenta anos após a "descoberta" inicial. Isto foi devido em grande parte às excelentes credenciais pertencentes aos homens que fizeram a "descoberta". Pouquíssimos especialistas sequer suspeitaram de fraude. Não foi até 1949, quando os fósseis foram datados usando a técnica de absorção de flúor, que a autenticidade da "descoberta" foi questionada. É verdade que o teste de flúor não foi desenvolvido até muitos anos após a farsa. No entanto, as marcas do raspador sobre os dentes, e o fato de que o "desgaste" estava virado para trás, teriam sido imediatamente óbvios a qualquer inspeção desde o início.


Homem de Piltdown: Uma Advertência Geral
A história do Homem de Piltdown serve como uma advertência para todos nós. Temos que investigar todos os dados com muito cuidado e por completo. Não só estamos lutando contra a obscuridade do passado, mas também com as intenções ocultas de homens ambiciosos.

Aprenda mais agora!

Direito Autoral © 2002-2020 AllAboutCreation.org, Todos os Direitos Reservados